Reader Comments

Como Desenvolver A Inteligência Emocional?

by Pedro Silveira (2019-06-11)


Por um longo tempo, acreditou-se que ser humano era dotado de apenas uma inteligência: a cognitiva, que nos dá as capacidades de lembrar e resolver problemas de cunho lógico. Como podemos notar, se conhecer é peça fundamental para desenvolvimento da inteligência emocional. Para que educando aprenda é preciso que esteja maduro para isso, que suas habilidades psicomotoras estejam desenvolvidas - que pode variar de criança para criança. Um indivíduo com um QI elevado pode ter facilidade em lidar com situações de forma racional e analítica. Seja capaz de dominar os seus sentimentos e comportamentos impulsivos, controlando suas emoções de forma saudável. Assim, é importante que os professores percebam seus alunos em sua corporeidade para poderem ver outros sinais que anunciam a multiplicidade da inteligência humana". Esses testes são fundamentais para uma avaliação completa de sua IE, mas mesmo entender que essas 12 competências são todas parte de sua inteligência emocional é um primeiro passo importante para abordar áreas em que sua IE apresenta maior déficit. Controle emocional: Lidar com os próprios sentimentos e adequá-los a cada momento da sua vida. Plano de ação para desenvolvimento dos atributos pessoas e das competências. equilíbrio emocional da criança depende do tipo de ambiente que a família propicia para a mesma. Segundo ela, esses sintomas diagnosticados na escola é conseqüência de um descontrole na relação mãe-filho, pois tanto a carência como excessivo cuidado pode acarretar problemas emocionais graves na criança pequena. Importante também que a criança tenha uma infância tranqüila e bem estimulada e levar em conta as aptidões individuais de cada um. É nesse ponto que relacionam os conceitos de inteligência múltipla e emocionais. curso de inglês na rota da fluência ultimate período de bebê é sem dúvida bastante complexo do ponto de vista do desenvolvimento, pois nele ira ocorrer a organização psicológica básica em todos os aspectos (perceptivo, motor, intelectual, afetivo, social). UTilizando exemplos marcantes, Goleman descreve as cinco habilidades-chave da inteligência emocional e mostra como elas determinam nosso êxito nos relacionamentos e no trabalho, e até nosso bem-estar físico. Os sinais do desenvolvimento da infância só começaram a se tornar significativos a partir do fim do século XVI (ARIÉS, 2006), quando estudiosos começaram a perceber "avanços" na linguagem e pensamento da criança. Existe uma grande questão a ser resolvida pelas organizações, em relação aos recursos humanos: que tipo de profissional é mais útil às empresas? Segundo John Gottman, em seu livro Inteligência Emocional e a arte de educar nossos filhos, existem basicamente dois tipos de pais: Os que orientam os filhos a lidar com as emoções e os que não orientam. Fomos educados a nos comportarmos para agradar a sociedade e não para termos autonomia emocional, cuidarmos de nós mesmos, de nossas emoções nem mesmo a prestar atenção ao que sentimos quando nos comportamos de tal ou tal maneira. Por isso, educador deve reconhecer as necessidades afetivas e cognitivas das crianças e considerar seus diferentes níveis de desenvolvimento, para assim orientar adequadamente a ação educativa (ALMEIDA, 2005). No entanto são exatamente as emoções que nos conduzem e a forma como lidamos através delas com a situações da vida é que determina nosso rumo e também quem somos. Suas capacidades cognitivas se desenvolverão a partir dessas relações, que também são mediadas por objetos e signos. Um professor cuja inteligência emocional não foi desenvolvida, não conseguirá ensiná-la a seus alunos. É fundamental saber encontrar equilíbrio perfeito entre a racionalidade e os sentimentos, mesmo em situações em que os níveis estresse possam estar elevados ou ambiente ao seu redor conturbado.



ISSN: 1946-1879