Reader Comments

Inglês revolucionário

by armando alves (2017-11-23)


Isso confunde muita gente, pois muitas vezes a tradução de uma palavra isolada não faz sentido na frase. Em meu primeiro livro - Inglês na Ponta da Língua: método inovador para melhorar vocabulário -, dedico algumas páginas ao assunto organização.

É preciso garimpar muito na internet e geralmente bons conteúdos estão em outros idiomas, especialmente em inglês… Mas se você é autodidata, persistente e gosta de desafios (e não desiste fácil ao se deparar com os obstáculos), é possível aprender sim.

No começo, a criança provavelmente vai misturar linguagens e expressões, mas rapidamente vai universidade do inglês é eficaz aprender a usá-las corretamente. Lembrando que são apenas dicas, você é quem deve avaliar que é melhor para você. Enquanto curso presencial tem dia e horário determinados para se frequentar as aulas, online é estudante quem faz sua agenda — que, sem disciplina, pode virar uma armadilha.

Um bebê não aprende gramática, escrita e leitura, para depois falar, da mesma forma que quem estuda inglês também não deveria aprender nesta seqüência. Para explorá-lo ainda mais, a versão para navegador ( acesse aqui ) disponibiliza menu imersão”, onde você acessa artigos em inglês e traduz diretamente no site. Muitos americanos se reúnem com regularidade para conversar sobre livros que escolheram ler juntos.



Por sorte, agora está bastante fácil para você decidir que ações executar em um dado momento. Muitos professores e alunos afirmam que para aprender inglês, você deve assistir seriados e filmes. Pois se seguissem, saberiam e praticariam uma imersão profunda na escuta do inglês. Cada aula tem duração de 50 minutos e você pode tirar dúvidas com os professores e trocar experiências com os demais alunos.

Sou criador do método Faculdade do Inglês, um método jovem e inovador para quem quer aprender inglês rápido e de verdade. Com metas diárias e muitos níveis disponíveis, aprender inglês agora está na palma da sua mão, literalmente. Isso porque infelizmente nosso cérebro não assimila tão bem quando obtemos respostas rápidas, nem com pouco esforço (por isso que, para aprender matemática, não basta ler as fórmulas).





ISSN: 1946-1879